Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Apresentação
Início do conteúdo da página

Universidade Aberta do Brasil

Publicado: Sexta, 01 de Abril de 2016, 22h04 | Última atualização em Sexta, 01 de Abril de 2016, 22h04 | Acessos: 1591

A Universidade Aberta do Brasil (UAB) é um projeto construído pelo Ministério da Educação em parceria com os Estados, Municípios, Institutos Federais e Universidades Públicas de Ensino Superior para oferta de cursos de Graduação, Pós Graduação e de Extensão Universitária visando ampliar o número de vagas da educação superior para a sociedade, promover a formação inicial e continuada para os profissionais do magistério e para os profissionais da administração Pública, para camadas da população que têm dificuldade de acesso à formação universitária, por meio do uso da metodologia da educação a distância.

O Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), programa instituído pelo MEC, por meio do Decreto 5.800, de 08 de junho de 2006, executado em Regime de Cooperação Técnica, celebrado em acordo assinado, conta com três participantes no processo:

- Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), que é o órgão financiador, coordenador e fiscalizador do sistema;

- Instituição publica de ensino superior (IPES), que figura como ofertante dos cursos a distância, no nosso caso o próprio IFSul;

- Governo do Distrito Federal, Estado ou Município, que figura como proponente de Polos de apoio presencial à educação a distância.

Para matricular-se é preciso ter concluído o ensino médio e fazer um vestibular presencial no Instituto Federal. A intenção da UAB é unir presencial e a distância, levando o ensino superior público para os municípios que não têm determinados cursos. A democratização do conhecimento, como o nome já diz, deve atender a todos os cidadãos e está regida pela Constituição Federal do Brasil.

Atualmente o IFSul desenvolve 3 cursos no âmbito do sistema UAB, um de Graduação “Curso Superior de Tecnologia de Sistemas para Internet” e duas especializações com os cursos: “Espaços e Possibilidades de Educação Continuada” e “ Mídias na Educação”. Atualmente perfazendo um total de 507 alunos atendidos na modalidade a distância.

Também está em implantação o projeto “Fomento ao uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs)”, um projeto realizado com financiamento da UAB que vai inicialmente atender 30 disciplinas dos nossos cursos de graduação presenciais do IFSul, aplicadas em turmas piloto. Tal iniciativa permitirá no futuro a oferta de disciplinas na forma de dependência para alunos reprovados, além de atender aos 20% de carga horaria semi-presencial previstos na legislação educacional para os cursos de graduação presenciais.

A UAB também conta em nosso estado do Rio Grande do Sul com uma rede de polos de apoio presencial para desenvolvimento dos cursos. Os polos de apoio presencial são as unidades operacionais para o desenvolvimento descentralizado de atividades pedagógicas e administrativas relativas aos cursos e programas ofertados a distância pelas instituições públicas de ensino superior no âmbito do Sistema UAB. Mantidos por Municípios ou Governos de Estado, os polos oferecem a infraestrutura física, tecnológica e pedagógica para que os alunos possam acompanhar os cursos a distância. Os cursos do IFSul atualmente estão distribuídos em 9 polos UAB: Picada Café, Herval, Jaguarão, Constantina, Balneário Pinhal, Camargo, Santana da Boa Vista, Santa Vitória do Palmar e Rosário.

Na opinião da Coordenadora Geral da UAB no IFSul, a professora Beatriz Nunes "a legitimidade da EAD está sendo conquistada dia após dia através de uma trabalho sério, inovador e comprometido com a aprendizagem do aluno. Tenho certeza que a UAB com seus cursos a distância vai renovar e sacudir nossa escola tradicional. Acreditamos numa educação de ''estar juntos virtualmente" formando redes de interação, de comunicação, de conhecimento e de ajuda."

Durante décadas a educação a distância foi vista com preconceito e até marginalizada. Hoje é reconhecida e respeitada, pesquisadores e educadores a consideram uma modalidade capaz de democratizar o acesso a educação, para a formação do cidadão e o desenvolvimento de uma sociedade mais justa. Está ultrapassada a idéia de que o aprendizado com qualidade só é possível com alunos e professores restritos a sala de aula no ensino presencial.

A Educação a Distância não substitui a educação presencial, dá-lhe outros parceiros, abre-lhe novos horizontes. Ela é versátil, inovadora, alcança um grande número de pessoas, adapta-se ao ritmo de aprendizagem de cada um, desenvolve a independência e a autonomia, permitindo a aprendizagem colaborativa e em rede.

Fim do conteúdo da página